Momento histórico: Fábrica de Confecções da AVM emite a primeira Nota Fiscal

Por
Atualizado em: 8 de fevereiro de 2017

A Fábrica de Confecções da AVM já está legalmente capacitada a comercializar seus produtos. A novidade é um grande marco para a AVM, que priorizou nos últimos meses as ações que agora permitem a entrada da Fábrica no mercado nacional de confecções. Com a autorização dos órgãos fazendários, a Associação está preparada também para participar de concorrências e licitações e produzir uniformes sob encomenda de instituições militares de todo o Brasil. Também poderá fornecer fardamentos para empresas de segurança, guardas municipais, colégios militares e empresas do setor de saúde, além de outros segmentos da sociedade. “Agora temos a oportunidade de vender nossos produtos no atacado e varejo, reerguendo a nossa Fábrica”, disse o Tenente-Coronel Sergio Ferreira Santos, Diretor da Fábrica de Confecções.

A primeira Nota Fiscal Eletrônica para um cliente, um marco desse novo tempo, será emitida no dia 7 de fevereiro. A Fábrica vendeu 500 camisetas para a Escola de Formação de Oficiais. Essa foi apenas a primeira de muitas vendas que a AVM pretende realizar. “Estamos lutando por isso desde que a direção assumiu a Associação. Agora é hora de fazer com que a Fábrica volte a ser motivo de orgulho de todos os associados”, disse o Tenente Irineu Pereira das Chagas, Diretor Comercial da Fábrica.

Em 2016 a direção da AVM empenhou esforços para regularizar a situação da Fábrica e fazer com que ela volte a produzir e fortaleça o patrimônio dos associados da AVM. No dia 13 de julho, uma Assembleia Geral realizada na AVM aprovou por unanimidade a mudança estatutária, permitindo criar uma empresa de sociedade limitada e CNPJ próprio, com contabilidade separada das contas gerais da associação. “Temos estrutura fabril, maquinário e pessoas qualificadas para produção. Optamos por priorizar a Fábrica, pois sabíamos do potencial de lucratividade que ela oferece para a associação”, disse o Presidente da AVM, Coronel Washington Alves da Rosa.

Por questões estatutárias e documentais, a fábrica perdeu competitividade no mercado. Quando se passou a exigir nota fiscal para a entrega de fardamentos, a AVM instituiu um CNPJ de filial para a unidade. Sendo assim, a própria Associação emitia nota fiscal, conflitando com os objetivos assistenciais e as isenções que detinha como instituição de utilidade pública. Essa prática teve que ser interrompida e, por causa disso, a fábrica deixou de gerar receitas. Mas continuou gerando despesas e os prejuízos acumulados desde 2001 chegam a R$ 8 milhões.

Após reuniões com advogados tributaristas e especialistas em direito empresarial, a direção da AVM concluiu que o ideal era separar a contabilidade da Fábrica da contabilidade geral da AVM. No dia 6 de dezembro, a Fábrica recebeu o CNPJ número 26.665.025/000-1-06, com o cadastro de AVM Vila Militar Confecções Ltda.

“É uma grande conquista para nós. Trabalhamos muito para que esse pontapé inicial fosse dado. Agora continuaremos investindo na Fábrica, com ânimo para encarar o desafio de reinseri-la no mercado de produção”, explica o Coronel Washington.

IMG_0907 IMG_0908