Bate-papo com o Coronel Washington Alves da Rosa, Presidente da AVM

Por
Atualizado em: 22 de dezembro de 2016
Coronel Washington Alves da Rosa Presidente da AVM

Coronel Washington Alves da Rosa
Presidente da AVM

O ano de 2016 foi de mudanças na AVM! Desde que a nova gestão assumiu a direção da associação muitos investimentos foram realizados. Confira o que foi feito neste ano e quais as metas para 2017 no bate papo com o presidente da AVM, Coronel Washington Alves da Rosa.

Qual é a sua avaliação sobre a AVM após seis meses na direção?

Estamos cumprindo as promessas que fizemos. Com muito trabalho, dedicação e comprometimento da equipe, diariamente buscamos profissionalizar a administração, por meio de modernas tendências de gestão corporativa, para que possamos aperfeiçoar a prestação de serviços, fazendo mais e melhor. Nossa meta diária é a satisfação do associado, com a maior eficiência e o menor custo. A AVM é um patrimônio de cada um de nós e é pelos sócios e dependentes que devemos honrar a missão que nos foi confiada pelo voto.

O que o senhor tem como prioridade?

A prioridade única é, e sempre será, o nosso associado e seus dependentes. Trabalhamos de maneira incansável para tratar a todos, indistintamente, como pessoa que busca na AVM a prestação de um serviço de qualidade e não como mero número. Nas atividades de lazer, assistência ou serviços, queremos que todos encontrem na associação um atendimento humanizado, afetuoso e personalizado.

Qual o principal desafio encontrado?

Nosso desafio diário é o de ofertar eficiência, adequando constantemente os serviços e seus custos. Trabalhamos para fazer as reformas emergenciais para que os associados possam usufruir da AVM, principalmente das instalações físicas. Fizemos altos investimentos na manutenção das colônias, algumas com mais de 20 anos, para que na temporada de verão os associados e seus dependentes encontrem instala- ções adequadas. Focamos também em algumas áreas que há muito tempo vêm demandando esforços e recursos sem soluções efetivas, como a questão da fábrica de confecções e da implantação do conjunto residencial no terreno do Pilarzinho.

Em seis meses o número de associados aumentou e também diminuiu a quantidade de exclusões. Qual a importância disso para a AVM?

Estamos fazendo campanhas para atrair novos associados e trazer de volta aquele militar estadual que deixou a AVM por motivos diversos. Felizmente, estamos tendo sucesso. No período, contamos com um saldo positivo de mais de 750 associados. A título de curiosidade, nos últimos cinco anos, computando-se inclusões e exclusões, houve um saldo positivo de 300 associados. Ou seja, em seis meses mais que duplicamos um número conquistado em cinco anos. A AVM é a maior associação entre as diversas entidades representativas dos militares estaduais do Paraná, hoje ultrapassando os 22 mil associados.

Quais as metas da AVM para 2017?

As metas são as que estabelecemos na campanha e que defendemos diariamente: “Uma gestão com qualidade, coragem e responsabilidade”. Em 2017, vamos começar a colher os frutos do intenso trabalho de regularização da fábrica de confecções, que passará a disputar certames licitatórios e atuar no mercado de produção de uniformes. Com mais uma fonte de receitas, poderemos trabalhar em novos investimentos e ampliação do atendimento. Com a regularização e assinatura de contrato com a Caixa Econômica Federal para a implantação do conjunto habitacional do Pilarzinho e o decorrente retorno aos cofres da AVM do valor do terreno, iniciaremos a construção do tão esperado Hotel de Trânsito na Capital do Estado, grande aspiração dos associados do Interior. Entre outras metas, destaco a abertura de um restaurante na sede administrativa da AVM e estudos para criação de um Colégio da Vila Militar, nos moldes do Colégio da Polícia Militar, destinado aos filhos e netos de nossos associados.

Quais os planos da AVM para o Interior do Paraná?

O Interior do Estado recebeu atenção permanente da atual diretoria e da presidência da AVM. Em seis meses, visitamos todas as unidades da PMPR. Chega da velha prática de visitas somente no período eleitoral. Temos seis centros de lazer no interior, que estão recebendo investimentos. Graças à competência das administrações regionais, estes centros praticamente possuem autonomia administrativa e financeira. Vamos apoiar a construção de edificações nos municípios onde a AVM possui terrenos. Planejamos ampliar a Colônia de Férias de Porto Rico, passando de quatro para 25 apartamentos.

A AVM fez investimentos pesados nos últimos seis meses.

Investimos em qualidade para que o associado encontre o conforto esperado. Fizemos muitas obras aparentemente imperceptíveis, ou seja, o associado nem saberá que ocorreu uma interven- ção. Os principais investimentos foram feitos em todas as colônias de férias, com a substituição de azulejos em piscinas e a troca de geladeiras, fogões, televisores e outros equipamentos. Além disso, todas as colônias terão restaurantes nesta temporada de verão e, em algumas, experimentalmente teremos bares que servirão os associados à beira das piscinas, com lanches, porções e bebidas a preços justos e com qualidade. O trabalho executado pelo Coronel Jorge Martins está sendo notável. Por outro lado, também graças à competente e dedicada equipe, o Hotel de Trânsito de Foz do Iguaçu pode acolher os hóspedes com mais conforto, carinho e segurança e tem ocupação completa até março de 2017.

A diretoria vem reforçando contatos em todo o Estado. Como esse trabalho vem sendo recebido?

Fazemos visitas presenciais, interação com os associados por meio das mídias sociais, newsletter semanal e boletins bimestrais de divulgação, a exemplo desta revista. O associado precisa conhecer o que a AVM oferece, qual a estrutura, o que fazer para acessar os serviços, com quem falar, enfim, como usufruir da AVM em sua plenitude. Temos agora um representante da AVM em cada OPM/OBM, ouvindo os anseios dos associados e retransmitindo à administração. Criamos o “Fale com o Presidente”, um canal eletrônico onde eu, pessoalmente, tomo conhecimento dos anseios, direciono as demandas e dou retorno sobre as providências adotadas.

A comunicação da AVM tem um trabalho consistente de transparência e informação diária. Qual o efeito desse novo relacionamento?

Conquistamos muitos associados atualizando e empregando bem o que as mídias sociais oferecem. Em seis meses produzimos 300% mais notícias do que nos últimos cinco anos somados.

Recentemente a AVM assinou contratos importantes. Qual a importância de se investir em parcerias com outros setores?

Prestação de serviços e fornecimento de bens com vantagens para os associados. A AVM é bastante assediada por empresas que querem ofertar seus produtos e serviços aos mais de 22 mil associados. Nosso setor de convênios analisa a utilidade e os benefícios da proposta, define critérios e firmamos o contrato. O objetivo é sempre o binômio preço/qualidade. Estamos ampliando o número de convênios com instituições no Interior. Basta que o associado indique a empresa/entidade interessada e o setor de convênios entrará em contato para avaliar. Convidamos os associados para que acessem nossos canais de comunicação e verifiquem os serviços e produtos disponíveis.

A AVM também está empenhada em aumentar a consciência política dos milicianos. Como isso ocorrerá daqui pra frente e quais os resultados esperados?

Estamos interagindo permanentemente com as demais entidades de classe, associações e clubes que representam os diversos segmentos da Corporação. Temos muitas “batalhas” pela frente, tais como a reforma da previdência, questões salariais, mudanças legislativas que possam trazer algum prejuízo ao regime jurídico dos militares estaduais. Mesmo não sendo a AVM uma entidade classista, não podemos ficar alheios à realidade. E, dentro do que permite nosso estatuto social, hoje estamos participando das ações do fórum das entidades de classe da PMPR, buscando o respeito aos policiais e bombeiros militares e a garantia de direitos e prerrogativas conquistados com muita luta. Se não nos unirmos, poderemos ficar à mercê de consequências desastrosas que podem nos afetar, no serviço ativo ou na inatividade. Assim, colocamos a estrutura da AVM, seus melhores profissionais, no esforço de garantir qualidade de vida. Juramos defender a sociedade, se necessário for com o sacrifício do bem mais precioso, a pró- pria vida, e temos plena consciência de nossa importância para o cidadão e do respeito institucional que merecemos, enquanto garantidores da democracia e do bem-comum.