AVM assina contrato com a Caixa Econômica para financiamento da obra do Projeto Pilarzinho

Por
Atualizado em: 28 de junho de 2018

A assinatura do contrato com a Caixa Econômica Federal, na quarta-feira (27), representou o principal avanço do Projeto Pilarzinho, para o financiamento da obra. O contrato foi assinado entre a Caixa (como financiadora), a AVM (como vendedora) e a construtura TM3 (como incorporadora), o que disponibiliza um crédito pré-aprovado de até R$ 20 milhões para a construção dos sobrados.

Além disso, possibilita um financiamento diferenciado para os associados que tenham cadastro aprovado. Essa modalidade permite que a CEF financie para o comprador, enquanto a obra está sendo executada. A AVM foi representada no ato pelo presidente, Coronel Washington Alves da Rosa, o Diretor de Execução de Projetos, Coronel Altair Mariot, e a advogada Vanessa Capelli Pereira.

De acordo com o Coronel Washington, o dia foi histórico para a AVM, que consegui finalizar um projeto que há 10 anos estava em aberto. Uma vitória que é resultado de muito empenho dos diretores e colaboradores da Associação. “Mais uma grande conquista do nosso grupo que irá trazer inúmeros benefícios aos sócios da AVM, aos que adquiriram uma das unidades do conjunto, e também aos demais sócios que terão, com certeza, benefícios acrescidos aos inúmeros serviços oferecidos, através de investimentos que faremos com os recursos que retornarão aos cofres da AVM. Um valor no montante de mais de R$ 5 milhões”, afirmou ele.

“Fico feliz por liderar uma equipe tão comprometida com a causa da nossa querida Associação. Mais uma inovação com qualidade, coragem e responsabilidade. Estamos cumprindo com nossos compromissos de campanha. A AVM segue, firme, forte e em frente”, completou o presidente.

As obras do Projeto Pilarzinho foram iniciadas no dia 07 de junho, com a instalação do canteiro de obras para a construção dos 163 sobrados do “Conjunto Habitacional Orlando Xavier Pombo”, que terão três diferentes medidas: 87,82 m² / 84,83 m² / 72,78 m².

O contrato com a construtora foi assinado no dia 24 de abril, na mesma data em que foi apresentado o Plano de Negócios e Vendas. “Este documento dependia do contrato com a construtora responsável pela incorporação, atendendo os prazos para a conclusão da obra. Nele, consta como serão vendidos os sobrados e as metas de comercialização dentro de um prazo pré-fixado”, explicou o Coronel Mariot.

 


Converse no WhatsApp